26 de abril de 2019

Secretaria de Saúde de Água Nova realizou a 6ª Conferencia Municipal de Saúde



Aconteceu na tarde dessa sexta-feira(26), na Câmara de  vereadores do Município de Água Nova a 6ª Conferencia Municipal de Saúde com o tema  " DEMOCRACIA E SAÚDE - SAÚDE COMO DIREITO  E CONSOLIDAÇÃO DE FINANCIAMENTO DO SUS. O Cerimonialista Sávio Felipe fez a leitura  do Regimento Interno e convidou as autoridades para a formação da mesa. Fez uso da palavra a Secretária de Saúde Edilma Queiroz, o Prefeito Ronaldo Sousa, os conferencistas: Galdino Gláuber Bessa e Idalécio Barros Feitosa. Em seguida,  houve a formação dos grupos de trabalhos para elaboração de propostas que foram apresentadas na plenária final. Os delegados  escolhidos para  participarem da da Conferencia Estadual foram: Jeovani, Profa. Lenilda, Ana Raquel e Anderson.


Da esquerda pra Direita: Elaine-presidente do Conselho Municipal de saúde, Vansilda - primeira dama do município,Ronaldo Souza- prefeito. Nené de Duba - vice prefeito, Edilma- secretária de Saúde e Vereador Odair Nunes













            Conferencista: Galdino Glauber
                         Conferencista Idalécio Barros





                                           Conselheiros da Secretária de Saude




Fotos : Blog Foco  Pé na Cova- Adaelson Lira

BOLSONARO ANUNCIA ATAQUE ÀS UNIVERSIDADES E AOS CURSOS DE HUMANAS

25 de abril de 2019

Bolsonaro no toma-lá-dá-cá

Resultado de imagem para Bolsonaro no toma-lá-dá-cá
No mesmo dia em que aprovou a constitucionalidade da reforma da Previdência na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados, o Governo ficou exposto e em maus lençóis com o vazamento da notícia de que já existe um acordo entre o presidente Bolsonaro e sua bancada de sustentação na Casa, mediante o qual cada deputado que votar favorável será contemplado com emendas de até R$ 40 milhões.
O ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni (DEM-RS), ofereceu destinar o valor em emendas parlamentares até 2022. Segundo o jornal Folha de São Paulo, a proposta aos parlamentares foi feita por Onyx na casa de Rodrigo Maia, presidente da Câmara, em negociação que ajudou a garantir a aprovação de Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 6/19 na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), a primeira etapa da tramitação da reforma da Previdência apresentada pelo governo de Jair Bolsonaro (PSL).
Hoje, os congressistas têm direito a R$ 15,4 milhões em emendas parlamentares, e, com os R$ 10 milhões acrescidos a cada ano (até 2022, R$ 40 milhões), o valor se aproximaria de R$ 100 milhões por parlamentar até 2022. Por ano, cada deputado passaria a ter cerca de R$ 25 milhões em emendas. A estratégia representaria um acréscimo de 65% no valor que cada representante pode manejar no Orçamento federal de 2019 para obras e investimentos na infraestrutura, que têm foco nos redutos eleitorais de cada deputado federal.
O ministro não detalhou a fonte do recurso, mas há uma indicação de que o valor extra viria de rubricas de fora do volume reservado para as emendas. Os deputados têm direito a emendas impositivas. Em caso de aprovação da PEC do Orçamento impositivo, os recursos de bancada também passarão a ser de execução obrigatória a partir de 2020. O projeto está em tramitação no Congresso. O valor proposto por Onyx não teria relação direta com isso. Não há, segundo técnicos, a previsão legal de “emendas extraorçamentárias”, mas a prática é recorrente entre políticos.
Essa negociação esdrúxula põe abaixo o discurso de independência do presidente Bolsonaro, que chegou a dizer certa vez que não iria repetir os erros dos seus antecessores para não ir jogar dominó com Lula na cadeia. Se esse toma-lá-dá-cá, sinalizado pelo ministro da Casa Civil, for levado a efeito, comprovará que o Congresso só funciona na base das execráveis práticas fisiológicas.
Comissão especial –  Aprovado na CCJ, o texto da nova Previdência segue agora para a comissão especial, que avalia o conteúdo da proposta e deve 'desidratar' alguns pontos do texto para obter os votos necessários. O governo se mostra aberto a negociar, apesar da dificuldade na articulação e a exigência de que a base da reforma não seja alterada. Para o ministro da Economia, Paulo Guedes, a economia projetada para o período de dez anos não pode estar longe de R$ 1 trilhão. Na Câmara, há pressão para que o sigilo dos dados da proposta seja quebrado e se conheçam detalhes do conteúdo da PEC.

Carlos Bolsonaro volta a atacar Mourão nesta quinta

24 de abril de 2019

Prefeito de Água Nova Ronaldo Souza cumpre agenda em Brasília

Desde o inicio desta semana que o prefeito Ronaldo Souza está em Brasilia para cumprir agenda. Ele reuniu-se com os senadores eleitos pelo Rio Grande do Norte,  Zenaide Maia,  Styverson Valentim e  Jean Paul. Segundo  Ronaldo, as conversas foram muito produtivas no sentido de trazer  melhorias para o Município de Água Nova RN.
"A luta é grande e incansável em prol do nosso município, e a perspectiva é que venha melhorias em prol da nossa querida população", concluiu Ronaldo.



A imagem pode conter: 2 pessoas, incluindo Francisco Ronaldo Souza, área interna
prefeito Ronaldo e senador Jean Paul 


A imagem pode conter: 2 pessoas, incluindo Francisco Ronaldo Souza, pessoas sorrindo, pessoas em pé
Ronaldo e Senadora Zenaide

A imagem pode conter: 3 pessoas, incluindo Francisco Ronaldo Souza, pessoas sorrindo, pessoas em pé e terno
Ronaldo, senador Styverson e Advogado Fernando 

Governo e Maia ligam rolo compressor e CCJ aprova proposta de reforma da Previdência

23 de abril de 2019

Pra quem ainda acha que a família de Lula roubou


Desde a morte de dona Marisa, filhos e noras de Lula ficaram traumatizados pelo infortúnio e a perseguição. “Quem acompanha de perto sabe a dificuldade que essas pessoas têm”, diz Paulo Okamoto, ex-metalúrgico responsável pelo Instituto Lula e um amigo do ex-presidente desde os tempos do sindicato em São Bernardo do Campo. “Não conseguem trabalhar, não têm tranquilidade para estudar, os netos são hostilizados na escola. Ao condenar o Lula, condenaram a família. Deviam sair do BrasiL mas quem vai fazer isso com um pai na cadeia?” “ Tampouco teriam condição para isso, já que atravessam sérias dificuldades financeiras. Estão com os negócios à míngua ou tecnicamente desempregados, à exceção da filha Lurian e do filho Luiz Cláudio, que acaba de assumir um posto de assessoria no gabinete do deputado estadual por São Paulo Emídio de Souza, do PT. Na terça–feira passada, Emídio foi instado a dar explicações à imprensa a respeito de sua escolha, e Luiz precisou esquivar-se dos repórteres. Vai ganhar 6 mil reais por mês.

“Que empresário dará emprego a
esse pessoal?”, pergunta~se Okamoto.
“É sempre a mesma história: ‘Mas os filhos do Lula são ricos, por que estão trabalhando aqui?’
O pedagogo Marcos, filho mais velho, cuida de um pequeno mercadinho e está tentando montar uma distribuidora de
carvão. Depois da morte de dona Marisa, mudou-se com a família para o interior de São Paulo, disposto a refazer a vida. Mas, num episódio nunca esclarecido pelas autoridades, teve a nova casa invadida pela polícia sob o argumento de que buscavam desmantelar uma quadrilha de tráfico de drogas. Levaram computadores, devolvidos mais tarde. Nada foi encontrado.
Desde então, ele e a mulher lutam para superar o trauma, transformado em doença. Todos os outros filhos foram alvos de busca e apreensões que reviraram imóveis, recolheram máquinas e documentos.
O neto Arthur, filho de Sandro
e Marlene, testemunhou a ação quando os policiais foram à casa da família. Não há notícia de que algo de suspeito tenha sido apanhado em qualquer uma
das operações. O ipad de Arthur, levado do apartamento de Lula, jamais foi devolvido. Desse processo, Sandro herdou
uma síndrome do pânico, hoje sob melhor controle.
Fábio Luís, 0 Lulinha, é um dos donos da PlayTV, um canal por assinatura que veicula informações sobre música, filmes, anímes e jogos de computad0r. Antes, firmara parceria com a Oi pa~
ra produção de conteúdo jovem para telefones celulares. De “sócio” da empresa nesse empreendimento, foi catapultado pelos antipetistas a “dono da Oi”. Fosse verdade, seria um grande case de fracasso, visto que o “dono da Oi” não consegue
mais acesso a empresários capazes de veicular seus reclames no canal.
“Tudo que se relaciona a Lula e ao PT ganhou a marca de uma grande 0rganização criminosa”, diz Okamoto. “A Receíta passou a fiscalizar em minúcia e aplicar sanções absurdas. O próprio instituto, por exemplo, foi multado em 15 milhões de reais por desvio de funçã0, mas nos últimos anos arrecadamos uma média de 5 mílhões por ano. Como vamos
pagar isso? Todas as empresas dos filhos do Lula foram investigadas por tráfico de influência. Se não encontram nada,
acabam achando algum problema
de gestão, muitas vezes erros que a gente comete sem nem saber que é proibido. Isso foi minando 5 negócios.” 0 filho Luiz Cláudio, que tentou montar uma 1iga de futebol americano no BrasiL foi denunciado por tráfico de influência pela Operação Zelotes. Réu em um processo e denunciado em outro.
Na cadeia há um ano, Lula não esmorece. “Qualquer pessoa que comete um crime e sabe que cometeu de alguma forma se entrega e apenas torce para pegar uma pena menor”, diz um de seus advogados, Luiz Carlos Rocha. ‘“A diferença para outros réus é a convicção que ele tem de não
ter feito nada de errado. Lula faz da sua inocência a sua força motriz. Não admite nem conversar sobre a possibilídade de um indulto, nem mesmo de uma prisão domiciliar. Quer ser julgado e inocentado.”
No primeiro dia de vIsita depois da
morte de Arthur, o deputado cearense José Guimarães, do PT, esteve na carceragem da PF. Assim que entrou, abraçou o ex-presidente e passou a dizer-lhe palavras de consolo. Foi interrompido na hora. “Zé, eu tenho 73 anos e ainda estou
tentando entender tudo o que aconteceu comigo. Vamos seguir em frente e vamos lutar!”

22 de abril de 2019

STJ JULGARÁ RECURSO DE LULA NESTA TERÇA-FEIRA

DONO DO SÍTIO DE ATIBAIA, QUE MORO DIZ SER DE LULA, PEDE À JUSTIÇA PARA VENDER A PROPRIEDADE

Vai começar a negociata para apoio da reforma

Resultado de imagem para Vai começar a negociata  para apoio da reforma
Governo Bolsonaro prepara um decreto para acelerar transferências a estados e municípios como forma de compensação previdenciária. Atendendo ao pleito dos governadores e de prefeitos, o time de Paulo Guedes (Economia) espera ampliar o apoio pela reforma da Previdência. Em média, um servidor público estadual ou municipal trabalha sete anos na iniciativa privada antes de ingressar no funcionalismo.
Estados e municípios querem receber a parcela paga pelo servidor no período em que estava vinculado ao INSS. O pagamento das compensações, portanto, aumenta o déficit da Previdência Social e é um alento para as contas dos governadores e prefeitos. A equipe econômica estima que, para municípios, a transferência seja de R$ 5 bilhões.
Para os estados, não há cálculos exatos. Mas o governador do Piauí, Wellington Dias (PT), prevê que a dívida acumulada com os estados seja de R$ 20 bilhões. Apesar de ser de oposição a Jair Bolsonaro, Dias tem articulado com técnicos do governo mais celeridade aos pagamentos. Atualmente, há 145 mil pedidos de governadores e prefeitos para essas transferências de recursos dos INSS, que se arrastam há anos.
O plano do governo é zerar esse estoque de processos em até dois anos.  “Esse decreto deve sair em 60 dias”, informou o secretário especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, Rogério Marinho. A equipe, segundo ele, trabalha também no aprimoramento do modelo de pedido de compensação. A medida é um afago a governadores e prefeitos e uma tentativa para que eles ajudem a convencer congressistas a votar a favor da proposta de reforma da Previdência.
Cresceu no Congresso a articulação para que a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) passe a prever mudanças na aposentadoria apenas dos trabalhadores da iniciativa privada e de servidores federais. Portanto, o efeito da reforma para estados e municípios seria excluído da proposta. Mesmo no PSDB, partido que defende a reforma, há deputados favoráveis à retirada dos artigos que ajudariam nos ajustes de contas estaduais.
Exclusão – O jogo é político. Parlamentares querem que o governador de seu respectivo estado tenha o desgaste de aprovar medidas impopulares. O líder do PPS na Câmara, Daniel Coelho (PE), recolhe assinaturas para apresentar emenda à PEC que excluiria o efeito da reforma para servidores estaduais e municipais. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), tem falado com aliados sobre outra sugestão. Ele prefere que, após a aprovação da proposta, governadores e prefeitos tenham um prazo para apenas ratificar as mudanças na PEC. Para Maia, isso seria suficiente para que toda a classe política trabalhe pela reforma.

blogdomagno

Divisões no governo mostram rudeza da direita das cavernas

FLORESTAN: O FUTURO DO BRASIL ESTÁ TRANCAFIADO NUMA MASMORRA

Comunicamos que estamos em manutenção

  Estamos melhorando a roupagem do Blog !  Em breve estaremos de volta . Agradecemos   compreensão !