28 de janeiro de 2017

Em fevereiro bandeira tarifária de energia será verde

ENERGIA-INT-PCom a melhoria das condições dos reservatórios do país devido às chuvas que vem ocorrendo desde o inicio de 2017, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) anunciou hoje (27) que em fevereiro será mantida a bandeira tarifária verde, ou seja, sem cobrança extra dos consumidores.
Em nota, a Aneel informou que “a condição hidrológica favorável”, que consta do Programa Mensal de Operação (PMO) do Operador Nacional do Sistema (ONS), possibilitou o acionamento de térmicas com custo operacional reduzido, chamadas de Custo Variável Unitário (CVU), abaixo de R$ 211,28 por megawatt-hora (R$/MWh).
A cor da bandeira em vigor no mês da cobrança é impressa na conta de luz e indica o custo da energia elétrica, em função das condições de geração de eletricidade. Por exemplo, quando chove menos, os reservatórios das hidrelétricas ficam mais vazios e é preciso acionar mais termelétricas para garantir o suprimento de energia.
De janeiro de 2015, quando o sistema foi implementado, até fevereiro de 2016, a bandeira tarifária se manteve vermelha, primeiramente com cobrança de R$ 4,50 a cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumidos e, depois, com a bandeira vermelha patamar 1, que significa acréscimo de R$ 3,00 a cada 100 kWh.
Em março de 2016, a bandeira passou para amarela, com custo extra de R$ 1,50 a cada 100 kWh. De abril a outubro ficou verde, sem cobrança extra. Em novembro passado, a bandeira passou para a cor amarela novamente e, em dezembro, passou para verde.
O sistema de bandeiras tarifárias foi criado como forma de recompor os gastos extras com a utilização de energia de usinas termelétricas, que é mais cara do que a energia de hidrelétricas.

nominuto.com

27 de janeiro de 2017

Na contramarcha da insensatez, para mudar o PT

Jeferson Miola Paulo Pinto
O pensamento racional claramente aconselhava os troianos a suspeitarem de um ardil quando acordaram verificando que todo o exército grego desaparecera, deixando apenas estranho e monstruoso prodígio à frente das muralhas da cidade. O procedimento racional deveria ter sido, ao menos, examinar o cavalo em busca de inimigos, tal como foram veementemente aconselhados por Cápis o Velho, Laocoonte e Cassandra. Essa alternativa esteve presente e bem viável, mas foi posta de lado em favor da autodestruição”.
Barbara Tuchman, A marcha da insensatez.
 
Em A marcha da insensatez, a historiadora norte-americana Bárbara Tuchman estuda o paradoxo que leva governos, políticos e dirigentes a produzirem políticas contraproducentes, que contrariam seus próprios interesses e objetivos estratégicos.
 
Num percurso que cobre o período da história de 850 a.C. aos anos 1970 do século 20, Tuchman analisa quatro acontecimentos históricos para corroborar sua tese – guerra de Tróia, cisão da Igreja Católica na Idade Média, independência dos EUA e guerra do Vietnã.
A insensatez – ou loucura política, como ela define – é um fenômeno que não somente leva a resultados contrários aos desejados pelos líderes, mas conduz a erros e derrotas estrondosas.

A autora qualifica insensatez como a incapacidade [1] de se entender corretamente a realidade no momento concreto em que se vive ela [e não retroativamente, como fazem os profetas de eventos passados], e [2] de se encontrar, no tempo real dos acontecimentos, as alternativas viáveis à realidade adversa.

À luz do critério de Tuchman, a resolução do diretório nacional do PT que autoriza a aliança com os golpistas na eleição das presidências da Câmara e do Senado para assegurar espaço institucional [que já é garantido pela Constituição!], é sintoma da insensatez – da loucura política – que domina a direção do Partido.

Esta escolha da maioria dirigente do PT não reflete a política necessária nesta etapa da luta de classes aberta com o golpe de Estado; e, além disso, fica em frontal dissintonia com o sentimento de mudança reclamado pelos filiados, militantes e simpatizantes partidários.

É uma posição ingênua e nada inteligente. Independentemente do espaço que o PT ocupe no Congresso, a mesma maioria golpista que perpetrou o golpe com a fraude do impeachment da Presidente Dilma dará continuidade à agenda legislativa do ajuste ultra-neoliberal, dos retrocessos sociais e da alienação da soberania nacional.

Mesmo ocupando a vice-presidência e a quarta secretaria do Senado, por exemplo, o PT não conseguiu impedir a tramitação e aprovação do impeachment fraudulento e das inúmeras medidas anti-populares e anti-nacionais propostas pelo governo golpista.

As reformas trabalhista e previdenciária, que revogam conquistas civilizatórias e fazem o Brasil retroagir ao período da escravidão nas relações de trabalho, serão votadas com o PT ocupando – ou não – espaços no Congresso. Somente a ampla pressão popular será capaz de deter este e outros ataques contra a classe trabalhadora e a maioria do povo brasileiro.

As bancadas de deputados e senadores do PT não podem seguir a insensatez da maioria dirigente. Isso abriria uma fissura profunda na relação com a base social, com a militância partidária e com a resistência democrática e popular que está nas ruas, nas praças, nas escolas e nos botecos; resistência essa que não transige e não aceita a conciliação com golpistas fascistas.

O processo do golpe, a dinâmica da luta de classes e o massacre criminoso do condomínio jurídico-midiático-policial evidenciaram a falência e os limites da direção do PT, que esteve aquém das complexas exigências do período.

É enorme a expectativa de que o PT mude, se renove e atualize suas políticas e estratégias para continuar sendo uma esperança transformadora e de emancipação do povo subalterno. Para mudar, porém, o PT tem de andar na contramarcha da insensatez e não reprisar os mesmos erros que o levaram a este que é o pior momento da sua existência – “a política fundada em erros multiplica-se, jamais regride” [Tuchman].

Na visão da autora da Marcha da insensatez, “a paralisação mental ou estagnação – a manutenção intacta pelos governantes e estrategistas políticos das idéias com que começaram – é terreno fértil para a insensatez. Montezuma se constitui em exemplo fatal e trágico”. Vale lembrar: Montezuma, imperador asteca, cometeu a insensatez de confiar ingenuamente no colonizador-dominador espanhol Hernán Cortés; ingenuidade que deu início ao fim do impressionante império asteca.

cartamaior.com.br

200 presos fogem durante rebelião em presídio de Bauru, no interior de SP



Um grupo de detentos conseguiu escapar durante uma rebelião na manhã desta terça-feira (24) no CPP (Centro de Progressão Penitenciária) de Bauru, no interior paulista. De acordo com o Centro de Operações da Polícia Militar, ao menos 200 presos teriam fugido. Não houve reféns.
O tumulto começou por volta das 8h30 durante uma revista de rotina no CPP 3 Prof. Noé Azevedo. A confusão teria começado, segundo a SAP (Secretaria de Administração Penitenciária) de São Paulo, quando um agente penitenciário surpreendeu um dos presos com um celular.
Os apenados incendiaram colchões e conseguiram escapar da unidade. Ao menos sete carros do Corpo de Bombeiros foram acionados para controlar o incêndio.
A SAP informou que a situação dentro do presídio já está controlada e que a Polícia Militar, com ajuda do Grupo de Intervenção Rápida, formado por agentes de segurança penitenciária, realizam a contagem dos presos. Contudo, a secretaria não informou quantos presos fugiram e quantos foram recapturados.
O helicóptero Águia, da PM, percorre a cidade para ajudar a localizar os detentos fugitivos. A penitenciária fica na altura do km 349 da rodovia Comandante João Ribeiro de Barros. Ela tem capacidade para 1.124 detentos, mas abriga atualmente 1.42 em regime semiaberto –podem sair para trabalhar durante o dia, mas precisam retornar para a unidade à noite.
De acordo com a SAP, 208 presos trabalham fora da unidade, exercendo atividades externas, outros 65 em empresas dentro da unidade e 358 trabalham em atividades de manutenção do próprio presídio.


Da Folha ' Thaisagalvao

Polêmica: Fifa diz que títulos antes do Mundial de 2000 não são considerados oficiais


Rincon Luisão Vampeta Corinthians 2000 (Foto: Ag. Estado)Luisão beija a taça do Mundial de Clubes da Fifa de 2000, o primeiro organizado pela entidade oficialmente (Foto: Ag. Estado)

Um comunicado enviado pela Fifa nesta sexta-feira ao jornal "O Estado de S. Paulo" reavivou uma polêmica que vem se arrastando há anos: os times que conquistaram os títulos da Copa Rio (Palmeiras, em 1951, e Fluminense, em 1952) e da Copa Intercontinental (os brasileiros foram Santos, em 1962/1963, Flamengo em 1981, Grêmio em 1983 e São Paulo em 1992/1993) podem ser chamados de campeões mundiais? Segundo a entidade, não.

confira a materia em globoesporte

Marisa Letícia Lula da Silva: as palavras que precisavam ser ditas (Por Hildegard Angel)

marisa 
Foram oito anos de bombardeio intenso, tiroteio de deboches, ofensas de todo jeito, ridicularia, referências mordazes, críticas cruéis, calúnias até. E sem o conforto das contrapartidas. Jamais foi chamada de “a Cara” por ninguém, nem teve a imprensa internacional a lhe tecer elogios, muito menos admiradores políticos e partidários fizeram sua defesa. À “companheira” número 1 da República, muito osso, afagos poucos. Ah, dirão os de sempre, e as mordomias? As facilidades? O vidão? E eu rebaterei: E o fim da privacidade? A imprensa sempre de olho, botando lente de aumento pra encontrar defeito? E as hostilidades públicas? E as desfeitas? E a maneira desrespeitosa com que foi constantemente tratada, sem a menor cerimônia, por grande parte da mídia? Arremedando-a, desfeiteando-a, diminuindo-a? E as frequentes provas de desconfiança, daqui e dali? E – pior de tudo – os boatos infundados e maldosos, com o fim exclusivo e único de desagregar o casal, a família? Ah, meus queridos,Marisa Letícia Lula da Silva precisou ter coragem e estômago para suportar esses oito anos de maledicências e ataques. E ela teve.
Começaram criticando-a por estar sempre ao lado do marido nas solenidades. Como se acompanhar o parceiro não fosse o papel tradicional da mulher mãe de família em nossa sociedade. Depois, implicaram com o silêncio dela, a “mudez”, a maneira quieta de ser. Na verdade, uma prova mais do que evidente de sua sabedoria. Falar o quê, quando, todos sabem, primeira-dama não é cargo, não é emprego, não é profissão? Ah, mas tudo que “eles” queriam era ver dona Marisa Letícia se atrapalhar com as palavras para, mais uma vez, com aquela crueldade venenosa que lhes é peculiar, compará-la à antecessora, Ruth Cardoso, com seu colar poderoso de doutorados e mestrados. Agora, me digam, quantas mulheres neste grande e pujante país podem se vangloriar de ter um doutorado? Assim como, por outro lado, não são tantas as mulheres no Brasil que conseguem manter em harmonia uma família discreta e reservada, como tem Marisa Letícia. E não são também em grande número aquelas que contam, durante e depois de tantos anos de casamento, com o respeito implícito e explícito do marido, as boas ausências sempre feitas por Luís Inácio Lula da Silva a ela, o carinho frequentemente manifestado por ele. E isso não é um mérito? Não é um exemplo bom?
Passemos agora às desfeitas ao que, no entanto, eu considero o mérito mais relevante de nossa ex-primeira-dama: a brasilidade. Foi um apedrejamento sem trégua, quando Marisa Letícia, ao lado do marido presidente, decidiu abrir a Granja do Torto para as festas juninas. A mais singela de nossas festas populares, aquela com Brasil nas veias, celebrando os santos de nossas preferências, nossa culinária, os jogos e as brincadeiras. Prestigiando o povo brasileiro no que tem de melhor: a simplicidade sábia dos Jecas Tatus, a convivência fraterna, o riso solto, a ingenuidade bonita da vida rural. Fizeram chacota por Lula colar bandeirinhas com dona Marisa, como se a cumplicidade do casal lhes causasse desconforto. Imprensa colonizada e tola, metida a chique. Fazem lembrar “emergentes” metidos a sebo que jamais poderiam entender a beleza de um pau de sebo “arrodeado” de fitinhas coloridas. Jornalistas mais criteriosos saberiam que a devoção de Marisa pelo Santo Antônio, levado pelo presidente em estandarte nas procissões, não é aprendida, nem inventada. É legitimidade pura. Filha de um Antônio (Antônio João Casa), de família de agricultores italianos imigrantes, lombardos lá de Bérgamo, Marisa até os cinco de idade viveu num sítio com os dez irmãos, onde o avô paterno, Giovanni Casa, devotíssimo, construiu uma capela de Santo Antônio. Até hoje ela existe, está lá pra quem quiser conferir, no bairro que leva o nome da família de Marisa, Bairro dos Casa, onde antes foi o sítio de suas raízes, na periferia de São Bernardo do Campo. Os Casa, de Marisa Letícia, meus amores, foram tão imigrantes quanto os Matarazzo e outros tantos, que ajudaram a construir o Brasil.
Outro traço brasileiro dela, que acho lindo, é o prestígio às cores nacionais, sempre reverenciadas em suas roupas no Dia da Pátria. Obras de costureiros nossos, nomes brasileiros, sem os abstracionismos fashion de quem gosta de copiar a moda estrangeira. Eram os coletes de crochê, os bordados artesanais, as rendas nossas de cada dia. Isso sim é ser chique, o resto é conversa fiada. No poder, ao lado do marido, ela claramente se empenhou em fazer bonito nas viagens, nas visitas oficiais, nas cerimônias protocolares. Qualquer olhar atento percebe que, a partir do momento em que se vestir bem passou a ser uma preocupação, Marisa Letícia evoluiu a cada dia, refinou-se, depurou o gosto, dando um olé geral em sua última aparição como primeira-dama do Brasil, na cerimônia de sábado passado, no Palácio do Planalto, quando, desculpem-me as demais, era seguramente a presença feminina mais elegante. Evoluiu no corte do cabelo, no penteado, na maquiagem e, até, nos tão criticados reparos estéticos, que a fizeram mais jovem e bonita. Atire a primeira pedra a mulher que, em posição de grande visibilidade, não fez uma plástica, não deu uma puxadinha leve, não aplicou uma injeçãozinha básica de botox, mesmo que light, ou não recorreu aos cremes noturnos. Ora essa, façam-me o favor!
Cobraram de Marisa Letícia um “trabalho social nacional”, um projeto amplo nos moldes do Comunidade Solidária de Ruth Cardoso. Pura malícia de quem queria vê-la cair na armadilha e se enrascar numa das mais difíceis, delicadas e técnicas esferas de atuação: a área social. Inteligente, Marisa Letícia dedicou-se ao que ela sempre melhor soube fazer: ser esteio do marido, ser seu regaço, seu sossego. Escutá-lo e, se necessário, opinar. Transmitir-lhe confiança e firmeza. E isso, segundo declarações dadas por ele, ela sempre fez. Foi quem saiu às ruas em passeata, mobilizando centenas de mulheres, quando os maridos delas, sindicalistas, estavam na prisão. Foi quem costurou a primeira bandeira do PT. E, corajosa, arriscou a pele, franqueando sua casa às reuniões dos metalúrgicos, quando a ditadura proibiu os sindicatos. Foi companheira, foi amiga e leal ao marido o tempo todo. Foi amável e cordial com todos que dela se aproximaram. Não há um único relato de episódio de arrogância ou desfeita feita por ela a alguém, como primeira-dama do país. A dona de casa que cuida do jardim, planta horta, se preocupa com a dieta do maridão e protege a família formou e forma, com Lula, um verdadeiro casal. Daqueles que, infelizmente, cada vez mais escasseiam.
Este é o meu reconhecimento ao papel muito bem desempenhado por Marisa Letícia Lula da Silva nesses durante o governo Lula. Tivesse dito tudo isso antes, eu seria chamada de bajuladora. Esperei-a deixar o poder para lhe fazer a Justiça que merece.

direto do face de /luizmuller.com

No governo Temer é assim

A imagem pode conter: 1 pessoa, em pé e texto

Choveu em Água Nova


Choveu na madrugada dessa sexta-feira em Água Nova. a quantidade pluviométrica não temos dados concretos, mas choveu  aproximadamente entre  27 e 30 milímetros.

26 de janeiro de 2017

Governo do RN encerra folha de dezembro nesta sexta-feira

O Governo conclui nesta sexta-feira (27) a folha de dezembro, quando paga o complemento salarial aos servidores ativos, aposentados e pensionistas que recebem acima de R$ 4 mil, soma equivalente a R$ 63 milhões. O grupo desta faixa salarial já havia recebido uma parcela de R$ 4 mil desde o dia 21 de janeiro. É importante destacar que 82% dos servidores receberam integralmente os salários desde o início do mês.

Por solicitação dos sindicatos e associações dos servidores, o Governo vem pagando a folha por faixa salarial, sem distinção entre ativos, aposentados e pensionistas.

Pesquisa prevê agravamento da seca no Nordeste de fevereiro a abril deste ano


Pesquisa prevê agravamento da seca no Nordeste de fevereiro a abril deste ano
Foto: Jerry Wendel
O Nordeste do país vive um período de intensa seca nos últimos cinco anos e, de acordo com a Previsão Climática Sazonal, esse quadro deve se agravar ainda mais de fevereiro a abril de 2017. Elaborado pelo grupo de trabalho do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), o documento indica que neste ano haverá menos chuvas na região, o que preocupa o quadro hídrico. Segundo reportagem da Agência Brasil, a tendência é de que os reservatórios do Nordeste não se recuperem de maneira significativa durante estação chuvosa, já que as precipitações devem ficar abaixo da média histórica. Os pesquisadores chamam atenção para o "acentuado risco" de esgotamento da água armazenada em represas e açudes entre novembro deste ano e janeiro de 2018, no Ceará, Paraíba, Pernambuco e Rio Grande do Norte. O aumento no potencial de queimadas a partir de fevereiro também preocupa porque a seca eleva o risco de focos de incêndio. "Se a cobertura vegetal diminui, o solo fica mais exposto e gera um aumento maior na temperatura. É um círculo vicioso", explicou o coordenador-geral de Pesquisa e Desenvolvimento do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden), José Marengo.

Sindiserpran Convoca Servidores da Educação para Assembleia


A Direção do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Rafael Fernandes e Água Nova - SINDISERPRAN, está convocando todos os servidores da educação  de Água  Nova para uma reunião amanhã ( sexta-feira), às 16:00 h na sede do sindicato. De acordo com a presidente da entidade, Rosineide Nascimento, essa reunião de urgência se faz necessário  para que a categoria discuta e decida em Assembleia a respeito da proposta de pagamento do terço de ferias apresentada ontem pelo secretário municipal de educação e outros assuntos referentes a carreira dos profissionais.

25 de janeiro de 2017

AREIA E DUNAS: Alcaçuz foi projetado por 2 universitárias e vira deboche nacional=-790-



A construção de Alcaçuz em cima de areia fina, de dunas, começa a virar deboche nacional. Hoje é destaque de capa do jornal Folha de São Paulo. A novidade é que o presidio foi um projeto de duas universitárias para conclusão do curso e que mesmo tendo projetado só acompanharam a construção uma única vez e afirmam que o governo quando construiu não seguiu itens de segurança essenciais.

Segue reportagem da Folha:

Cenário do massacre de 26 presos e sem controle do poder público há mais de uma semana devido à guerra entre facções criminosas, a prisão de Alcaçuz, na região metropolitana de Natal, tem a origem de seus problemas há quase três décadas, quando saiu do papel com base num trabalho de conclusão de curso de duas alunas de arquitetura na Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

Prevista originalmente num terreno rochoso na cidade de Macaíba, a 14 km de Natal, a planta foi adaptada e erguida sobre dunas no município de Nízia Floresta, ao lado da capital potiguar –com características que facilitaram a presença de esconderijo de armas e fugas com túneis escavados na areia.

Entre domingo (22) e segunda (23), por exemplo, policiais da Força Nacional encontraram três túneis ao redor de Alcaçuz –um deles camuflado com galhos de árvores, e outro só descoberto após a chuva levar parte da areia.

Além disso, apesar da entrada da PM no complexo na sexta (20), houve uma nova tentativa de fuga na madrugada desta segunda, pelo telhado. Um agente penitenciário percebeu a movimentação e disparou –um detento foi atingido no braço.

As falhas da prisão construída são reconhecidas por uma das arquitetas do projeto, para quem elas não estão especificamente nas dunas. “O problema é que normas de seguranças, como fundações bem feitas e muros reforçados, não foram realizadas corretamente. O projeto não foi seguido”, diz Rosanne Azevedo de Albuquerque, 50, hoje professora universitária.

Rosanne era estudante na faculdade quando, junto com a colega Lavínia Negreiros, decidiu fazer um projeto de presídio. “Era um trabalho de conclusão de curso sem nenhuma ambição”, afirma.

As duas criaram um presídio que tinha quatro pavilhões e áreas voltadas à educação, tratamento médico e oficinas. Na apresentação, receberam nota máxima. O governo se interessou e comprou a ideia. “Nem me lembro quanto pagaram, mas não foi muita coisa”, diz Rosanne.

As duas arquitetas puderam visitar a construção apenas no início. Depois, acabaram nem sendo convidadas para a inauguração, em 1998, na gestão do então governador Garibaldi Alves Filho, hoje senador pelo PMDB.

A planta previa um piso com camadas espessas de concreto e de grades de ferro, o que não foi feito. Com o tempo, os presos quebraram o piso e chegaram até a areia. Para fugir, cavavam túneis com as mãos e com pás de ventilador. Os buracos passavam por baixo do muro e saíam do lado de fora, numa vila que cerca o presídio –apelidado de “queijo suíço”.

Moradores do entorno estão acostumados com fugas –só no ano passado 102 detentos fugiram dali. Uma dona de casa, que preferiu não se identificar, afirmou que em 2016 encontrou vários presos nas ruas de terra. “Eles não mexem com a gente. Só querem fazer a fuga”, conta.

“Não sei como Alcaçuz não desabou ainda. Há verdadeiras cavernas embaixo. O que tem ali é areia, areia de praia”, diz Henrique Baltazar, juiz de execução penal que atuou na detenção entre 2010 e 2015. Segundo policiais e agentes penitenciários ouvidos pela Folha, é bastante difícil encontrar armas com os presos de Alcaçuz, porque eles as enterram nas dunas e na areia que existe no complexo.

Jogar objetos para dentro da detenção também não é tarefa difícil, já que o prédio fica numa área mais baixa e é cercado por outras dunas. Normalmente há seis agentes penitenciários por turno, para mais de mil presos.

24 de janeiro de 2017

A Mulher de Lula está internada em estado grave


 05/10/2014- São Bernardo do Campo,Brasil- Ex-presidente Lula, após votar em São Bernardo do Campo. Foto: Ricardo Stuckert/ Instituto Lula
Marisa Letícia foi para a UTI após a cirurgia de embolização do aneurisma cerebral.
A ex-primeira dama deverá ficar, pelo menos, 15 dias em observação.
Os médicos alertaram a família do risco de um novo sangramento ocorrer nas próximas 72h. Para diminuir as chances de um novo evento, Marisa Letícia permanecerá sedada na UTI neurológica do hospital Sírio Libanês, em São Paulo.

Cármen decide que delações seguem mesmo sem Teori


Divulgação
Presidente do Supremo Tribunal Federal, ministra Cármen Lúcia, autorizou que os juízes auxiliares do gabinete de Teori Zavascki prossigam com os trabalhos das delações premiadas de executivos e ex-funcionários do grupo Odebrecht; decisão foi tomada na noite  de ontem  (23).

23 de janeiro de 2017

Juiz decreta sigilo em investigação sobre queda de avião que levava ministro Teori

 Resultado de imagem para queda de avião que levava ministro Teori
A Justiça Federal do Rio decretou sigilo sobre as investigações que apuram as causas da queda do avião que levava o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Teori Zavascki e outras quatro pessoas. A decisão é do juiz Raffaele Felice Pirro, da 1ª Vara Federal de Angra dos Reis. O sigilo em relação a investigações sobre acidentes aéreos tem sido praxe no país. É uma forma de viabilizar a troca de informações com a Aeronáutica, responsável técnica pela apuração.

Corpo de Teori e outras duas vítimas da queda de avião são resgatados no Rio de Janeiro

Lei sancionada em 2014 tornou sigilosa as investigações da Aeronáutica em acidentes do tipo. A polícia e o Ministério Público, ao apurar a queda de um avião, só têm acesso à caixa-preta -com as conversas da tripulação na cabine- mediante decisão judicial. A lei estabelece duas condições para liberar os dados: que o Cenipa, órgão da Aeronáutica responsável pela apuração de acidentes aéreos, seja consultado antes; e que essas informações sejam protegidas por segredo de Justiça, de modo a evitar a divulgação.

Destroços do avião que caiu em Paraty são resgatados e seguem para Angra

A investigação do Cenipa tem como objetivo achar falhas que previnam novos desastres, e não procurar culpados. Este último ponto é alvo das apurações do MPF e da polícia. O Ministério Público Federal requisitou documentos à Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) e ao Comando da Aeronáutica relativos à manutenção da aeronave e gravações de conversas entre o piloto e a torre de controle. A procuradora Cristina Nascimento de Melo começa a ouvir as primeiras testemunhas nesta semana.
A Polícia Civil do Rio também instaurou inquérito. A retirada dos destroços do bimotor King Air da baía de Paraty está em curso. Ao final, o material será levado para uma marina em Angra dos Reis e, em seguida, numa carreta para o Rio.

Leonardo Rego susta convocação de aprovados no último concurso


  Resultado de imagem para sustado Fiquei surpreso com a manchete publicada no  Blog polítíca Pauferrense noticiando que a Prefeitura de Pau dos Ferros sustou a convocação  dos aprovados no último concurso. Resolvi publicar ná íntegra o conteúdo da informação.

confira: 

Quatro dias após a Juíza de Direito da 2ª Vara da Fazenda Pública da Comarca de Natal, Francimar Dias Araújo da Silva, acatar o pedido formulado pela Procuradoria-Geral do Município para extinguir, sem resolução de mérito, o Mandado de Segurança de Nº 0857135-78.2016.8.20.5001, a Prefeitura de Pau dos Ferros publicou, na última  sexta-feira (20), no Diário Oficial do Município, o Decreto Nº 010/17 sustando as convocações dos aprovados no concurso último público, provenientes dos Editais de Convocação nos 042/2016, 043/2016, 044/2016, 045/2016, 046/2016, 047/2016 e seguintes publicados até 31 de dezembro de 2016.

Ainda de acordo com o documento, assinado pelo prefeito Leonardo Nunes Rêgo, por consequência, ficam sustados os demais atos administrativos (nomeações e posses) advindos dos Editais de Convocação.

Vale salientar que, nos autos do referido processo extinto, há o registro de uma decisão liminar favorável aos concursados, proferida no dia 19 de dezembro de 2016 pelo juiz de direito Artur Cortez Bonifácio, inclusive, concedendo-lhes o direito à posse nos referidos cargos efetivos.

No entanto, no dia 13 de janeiro de 2017, após a alternância no comando da Procuradoria-Geral do Município, em virtude da mudança de prefeito, um novo pedido foi formulado ao Poder Judiciário, desta vez, para arquivar o processo, algo que acabou se consumando.
Desta forma, com a publicação do Decreto Nº 010/17, na tarde desta sexta, está oficializada a suspensão dos atos administrativos da gestão anterior quanto às convocações, nomeações e posses dos concursados que, possivelmente, deverão ajuizar um novo mandado de segurança para fazer valer os seus direitos.
Agora, resta-nos aguardar pelos novos desdobramentos...

22 de janeiro de 2017

“Mataram o Teori por medo da Lava Jato”. disse Kajuru

 
O vereador afirmou que tem a lista de todos os nomes que figuram na lista da Lava Jato e alertou:
“Mataram o Teori por medo da Lava Jato”.
De acordo com o polêmico jornalista, “muita gente do PSDB e do PMDB está nesta lista e eu darei para vocês em primeira mão […] 
 
a materia completa confira no http://clickpolitica.com.br

Tromba music apresenta: Carta aos missionários - Uns e Outros - 1989


Em Washington e em várias cidades do mundo mulheres marcharam contra Trump


mul
Milhares de pessoas participaram ontem  sábado (21), no centro de Washington, capital dos Estados Unidos, da Marcha das Mulheres contra Donald Trump, novo presidente norte-americano, e suas anunciadas políticas contra os direitos das mulheres e outras minorias sociais, como imigrantes.
Motivada pelas reiteradas declarações machistas de Trump e de seus colegas do Partido Republicano e pelas propostas do governo de diminuir o acesso de mulheres a direitos reprodutivos como contracepção e aborto, a manifestação também se opõe à intenção do atual presidente de anular o Obamacare, programa de saúde de seu antecessor, e aos retrocessos em temas como mudanças climáticas.
Em apoio à manifestação em Washington, outras marchas de mulheres estão sendo realizadas em várias cidades dos Estados Unidos e do mundo, como Londres, Amsterdã, Atenas, Genebra, Roma e Estocolmo. As líderes do movimento estão convidando não apenas as mulheres, mas pessoas de todos os gêneros e idades a participar do movimento.
O primeiro ato de Donald Trump, que tomou posse nessa sexta-feira (20), foi a retirada do “ônus econômico” do plano de assistência médica à população dos Estados Unidos, que tinha sido aprovado pelo ex-presidente Barack Obama.
Além da marcha pela capital norte-americana, as líderes do movimento estão promovendo shows de artistas e discursos de personalidades artísticas ou políticas que se destacaram em defesa de causas sociais ou direitos civis. Esses discursos e shows estão ocorrendo em uma área próxima ao Capitólio, prédio do Congresso norte-americano, mesmo local onde Trump tomou posse. A marcha começa nesse local e prossegue até as imediações da Casa Branca.

Comunicamos que estamos em manutenção

  Estamos melhorando a roupagem do Blog !  Em breve estaremos de volta . Agradecemos   compreensão !